cmp

Conheça os exames para entrar bem na terceira-idade

Densitometria óssea e colonoscopia são essenciais a partir dos 50 anos

O aumento da população idosa é uma realidade: Portugal tem uma esperança média de vida de 81 anos, segundo um relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS). O grande desafio é perceber como envelhecer de forma saudável, mantendo o corpo e a mente ativos.

Dito isto, é importante estar atento às doenças que têm como um dos principais fatores de risco a idade – e nada melhor do que realizar os exames de rastreio na faixa etária recomendada, ou então continuar a fazer aqueles que, se já eram importantes antes, passam a ter atenção redobrada após a meia-idade.

Confira os exames recomendados e não se esqueça: na dúvida sobre qualquer alteração no seu corpo ou sintoma diferente, pergunte ao seu médico!

Hemograma e colesterol

Este exame de sangue ajuda o médico a identificar diversos aspetos da sua saúde – principalmente os males do coração, que são mais incidentes a partir dos 50 anos de idade.

O teste de colesterol é um exame de sangue que mede os níveis de colesterol (tanto o colesterol de alta densidade – HDL ou colesterol bom) e o colesterol de baixa densidade – LDL ou colesterol mau) e que revela se há ou não risco de doenças como a aterosclerose, AVC ou hipertensão arterial.

O hemograma avalia doenças como anemia, infeções bacterianas ou virais, inflamações e leucemia, que na terceira-idade estão mais propensas a causar complicações.

TSH

A incidência de hipotireoidismo aumenta com o passar da idade, principalmente nas mulheres. Isto acontece porque na fase da menopausa é muito comum a mulher sofrer da tireoidite de Hashimoto ou tireoidite crônica, doença autoimune em que o corpo produz anticorpos que atacam a tireoide, fazendo deste distúrbio a principal causa do hipotireoidismo.

Assim, durante o período em que as doenças autoimunes são mais frequentes, é possível que as hormonas, como o estrogénio, estejam a produzir fatores que contribuem para as doenças autoimunes, entre as quais a doença de Hashimoto.

Desta forma, o exame de TSH é importante para verificar se há alguma alteração significativa no funcionamento da tireoide que precise de tratamento.

Densitometria óssea

O exame de densitometria óssea é usado para medir a densidade dos nossos ossos, ou a massa óssea.

É utilizada uma tecnologia avançada de Raio-X, conhecida como absormetria radiológica de dupla energia (ou DEXA – Dual-Energy X-ray Absorptiometry), para medir a densidade dos ossos a fim de diagnosticar a osteoporose e avaliar o risco de fratura.

Devido a isto, é um exame de extrema importância a partir dos 50 anos de idade, uma vez que os nossos ossos crescem apenas até aos 20 anos e sua densidade aumenta até aos 35 anos, começando a perder-se progressivamente a partir daí.

É um exame que deve ser feito anualmente, porém a frequência pode mudar, conforme a indicação do médico.

Colonoscopia

O cancro do cólon e do reto têm, entre os principais fatores de risco, a idade. O consumo de álcool, o tabagismo e uma dieta pobre em fibras e rica em gordura são outros fatores de risco para este tipo de cancro.

O exame consegue identificar alterações da mucosa do intestino que podem evoluir para um cancro e o tratamento dessas alterações reduz o risco da doença.

A colonoscopia deve ser feita a partir dos 50 anos de idade, para pessoas sem histórico da doença na família.

Aqueles que possuem fatores de risco (parentes de 1º grau que tiveram cancro do cólon ou do reto) devem ser acompanhados com mais cuidado, sendo aconselhado a realização do primeiro exame a partir dos 40 anos de idade ou 5 a 10 anos antes da idade em que o parente mais novo recebeu o diagnóstico.

Porém este exame pode também ser indicado em casos de dores abdominais, alteração do hábito intestinal, hemorragias pelo ânus, diarreias e outras queixas relacionadas.

Se os resultados do exame indicarem que está tudo bem, este deve ser repetido a cada cinco ou dez anos. Se for detetado alguma anomalia, o exame deve ser repetido conforme a orientação do médico.

Raio-X de Tórax

Essencial para os fumadores, o raio-x de tórax é importante para avaliar o estado dos pulmões após os 50 anos.

Apesar do cancro do pulmão não ser o mais predominante, é um tipo de cancro mais agressivo. Por isso, se o indivíduo é ou foi fumador, deve visitar um pneumologista de forma anual para a deteção deste problema.

Após a meia-idade, este exame torna-se mais importante, uma vez que, quanto mais tempo estiver em contato com fumo dos cigarros, maiores serão os riscos.

A visita ao pneumologista deve também acontecer sempre que a pessoa tiver gripes ou resfriados. Sintomas como uma tosse que demora a passar, não podem ser ignorados, pois o risco deste problema evoluir para uma pneumonia é maior e pode levar o paciente à morte.

Outro cuidado fundamental é tomar as vacinas contra as infeções respiratórias (como a gripe e a pneumonia).

Eletrocardiograma

O sistema cardiovascular sofre diversas modificações com o decorrer da idade, que culminam com o comprometimento da função cardíaca.

Ocorrem alterações estruturais no coração, nas válvulas cardíacas e nas paredes das artérias, alterações essas que conduzem à diminuição da reserva funcional, limitando o desempenho cardiovascular durante as atividades físicas e noutras situações de esforço.

Por isso, recomenda-se uma visita anual ao médico a partir dos 40 ou 50 anos de idade, que fará uma análise clínica do paciente, avaliando se ele apresenta fatores de risco (como obesidade e gordura abdominal), além de solicitar o ecocardiograma e verificar a pressão arterial.

O eletrocardiograma é um exame realizado para avaliar o registo da variação dos potenciais elétricos gerados pela atividade do coração. Isto ajuda o médico a encontrar alterações, como a insuficiência cardíaca, arritmias e outras cardiopatias.

Em conjunto com o eletrocardiograma, é importante medir os valores de pressão arterial uma vez por ano, mesmo para quem não sofre de hipertensão, o que ajuda na prevenção e no tratamento da doença.

Exame de toque retal e PSA

A partir dos 45/50 anos de idade, todos os homens devem marcar uma consulta, anualmente, com um urologista, pois o risco de ser diagnosticado cancro da próstata aumenta.

A investigação desta doença é feita com uma história clínica completa, dosagem de PSA, toque retal e ultrassom da próstata por via retal.

O PSA é uma proteína que pode ser produzida pela próstata normal e que é produzida numa quantidade muito maior pelo tumor da próstata.

Estes exames devem ser realizados sempre e em conjunto, pois o toque retal nem sempre consegue detetar um cancro que apresenta dosagem de PSA, assim como 24 a 40% dos tumores não apresentam altas dosagens da proteína PSA, não sendo detetados pelo exame – mas podem ser detetados pelo toque retal.

O exame de toque retal também dá informações adicionais sobre a próstata, mesmo que não esteja relacionado à doença maligna, como a hiperplasia prostática benigna.

Além disso, o exame de toque retal também possibilita encontrar pólipos e retirar uma amostra de pele para uma biópsia.

 

Papanicolau e mamografia

O principal objetivo da mamografia é a prevenção do cancro da mama  – do qual as mulheres entre os 40 e 69 anos de idade são as principais vítimas.

Isto porque a exposição ao estrogénio (principal causador dos tumores) está no auge com a chegada dessa idade.

A partir dos 50 anos, particularmente, os riscos entram numa curva ascendente. Para as mulheres que não tem histórico familiar e são assintomáticas, a mamografia deve começar a ser feita a partir dos 40 anos.

Já para aquelas que possuem casos de cancro da mama na família, a mamografia deve começar a ser feita 10 anos antes do caso mais precoce entre as familiares que tiveram a doença.

Por exemplo: se uma mulher descobriu um cancro da mama aos 40 anos, a sua filha deve começar a fazer mamografias, anualmente, a partir dos 30 anos.

Juntamente com a mamografia, o exame Papanicolau deve continuar a ser feito mesmo após os 50 anos – independentemente da vida da mulher continuar a ser ativa ou não. Segundo os especialistas, este exame deve fazer parte da lista até aos 70 anos de idade.

Dosagens de vitamina D, cálcio e PTH

Em conjunto com a densitometria óssea, o exame para detetar deficiências de vitamina D e cálcio no sangue e ossos, é essencial para o acompanhamento do risco da osteoporose a partir da meia-idade.

Quando os níveis de vitamina D estão abaixo do normal, é sinal que a associação do cálcio nos ossos é nula – já que a vitamina é a responsável por essa ligação.

Além disso, também pode ser pedido um exame de PTH – que indica as quantidades da hormona paratireoide no seu organismo. Isto porque o PTH está relacionado com a absorção de cálcio e vitamina D pelo intestino e rins.

Desta forma, os altos níveis de PTH no sangue indicam que o cálcio pode não estar a ser utilizado como deveria para o fortalecimento dos ossos, pois não consegue ligar-se a eles, e o corpo precisa produzir mais PTH para livrar-se desses minerais que circulam no sangue.

Exames positivos para a deficiência de vitamina D e cálcio, em conjunto com alguma alta dosagem de PTH, são suspeitos para o acompanhamento de uma futura osteoporose e podem indicar a necessidade de suplementação vitamínica.

Ureia e creatinina

Exames que possam verificar os níveis de creatinina também são importantes para averiguar as funções do rim – uma vez que, quanto maiores são os níveis de creatinina, menos eficiente está o rim.

A creatinina serve de suporte para fazer o cálculo da taxa da quantidade de impurezas que o rim consegue filtrar.

Com o passar da idade este valor vai subindo gradualmente, e a função renal vai diminuindo, como um reflexo do envelhecimento – resta saber se estes níveis não resultarão numa insuficiência renal mais grave.

Este acompanhamento é ainda mais importante para pacientes com diabetes e hipertensão, já que estas condições elevam o risco de complicações renais.

A dosagem da creatinina é muito importante, pois ela pode aumentar de forma assintomática, servindo de alerta para a possibilidade de uma doença renal.

Glicemia de jejum

O risco de diabetes de tipo 2 aumenta, consideravelmente, a partir dos 45 anos de idade, principalmente devido ao aumento dos fatores de risco, como a obesidade – por isto, as pessoas que tem histórico familiar da doença e não fazem este exame com frequência, devem considerar incluir a dosagem na lista de exames anuais a partir desse período.

Portadores de diabetes de tipo 1, fazem o exame de glicemia de jejum com maior frequência, pois precisam saber os níveis de glicose para ajustar a dose de insulina a ser aplicada – nestes casos, o exame é feito em jejum ou então antes da próxima aplicação, usando um aparelho chamado glicosímetro.

Portadores de diabetes de tipo 2, com administração de medicação oral e, eventualmente insulina, fazem o exame com uma frequência menor, geralmente durante uma consulta médica.

Exames oftalmológicos

Após os 50 anos de idade, doenças como as cataratas e o glaucoma têm maior incidência, daí a necessidade de uma visita anual ao oftalmologista.

Grande parte das doenças dos olhos são irreversíveis, por isso, identificar o problema de forma precoce pode eliminar a necessidade de cirurgias.

É ainda possível identificar outras doenças silenciosas, como a diabetes e a hipertensão, apenas por meio de exames oculares.

E mesmo quem já sabe que é portador dessas doenças, pode melhorar o controlo clínico delas numa consulta oftalmológica.